22 Anos depois da tragédia da Ribeira Quente (video)

22 Anos depois da tragédia da Ribeira Quente (video)

31 Outubro, 2019 0 Por Coriscos e Mal Amanhados

A população ainda dormia quando, há 22 anos, chuvas torrenciais provocaram derrocadas que soterraram parte da freguesia da Ribeira Quente, matando 29 pessoas, numa das maiores tragédias naturais do arquipélago.

Às primeiras horas do dia 31 de Outubro de 1997, um mar de lama e de terras engoliu dezenas de casas junto à canada da Igreja Velha, a zona mais afetada, num cenário de horror, agravado pela obstrução do único acesso rodoviário à freguesia, onde mora a segunda maior comunidade piscatória da ilha de São Miguel depois de Rabo de Peixe, no concelho da Ribeira Grande.

A situação agravou-se pelo facto de a única estrada que liga a freguesia ao resto da ilha ter ficado inacessível, mas também sem eletricidade, água e comunicações.

O trabalho de resgate de corpos, incluindo de famílias inteiras, foi dificultado pela chuva constante, numa comunidade de cerca de mil pessoas onde todos se conheciam.

Na ocasião, o pároco local, o padre Silvino Amaral, desempenhou um papel preponderante na motivação da população que temia acontecimentos idênticos.

“Eles estão fortemente marcados pela morte dos seus parentes e jamais esquecerão o que aconteceu”, sublinhou na altura o padre Silvino Amaral, que liderou o processo de apoio aos sinistrados e foi condecorado pelo presidente da República Jorge Sampaio.

Nas semanas seguintes à catástrofe, quando se tentava regressar à normalidade, o maior receio das autoridades locais era a possibilidade de muitas famílias abandonarem a freguesia da costa sul de São Miguel, mas a esmagadora maioria preferiu ficar.

Reportagem sobre a tragédia que assolou a Freguesia da Ribeira Quente, nos Açores, em que uma avalanche de terra soterrou habitações e causou dezenas de mortos, em 31 de Outubro de 1997.

Fonte: RTP Memória

RSS
Follow by Email
Facebook
Twitter